Domingo, 16 de Novembro de 2008

Barbitúricos

 



São os calmantes e sedativos, provocam alterações na capacidade de raciocínio, concentração e coordenação motora.
Quando ingeridos em excesso, afetam as funções do sistema cardiorespiratório, podendo levar ao coma.
Enumerando-se os efeitos provocados pelo uso abusivo e indiscriminado dos barbitúricos, temos:
- Dependência física (a administração repetida de barbitúricos cria, no sistema nervoso central, um transtorno fisiológico que obriga à continuação do consumo destas drogas para evitar o aparecimento da síndrome de abstinência)
- Dependência psicológica (o viciado fica obcecado em obter os barbitúricos, e persiste em usá-lo apesar do conhecimento prévio de que eles são nocivos física, psicológica e socialmente)
- Tolerância (são necessárias doses progressivamente maiores de barbitúricos para se gerarem os mesmos efeitos iniciais)
- Depressão do centro respiratório
- Depressão do sistema nevoso central (principalmente do hipotálamo, sistema límbico, córtex cerebral)
- Depressão dos centros termorreguladores localizados no hipotálamo
- Depressão dos centros vasomotores localizados na medula
- Redução do volume de urina, gerada por alterações hemodinâmicas no rim e também pelo aumento da secreção do hormônio antidiurético hipofisário
- Interferência na transmissão nervosa periférica do sistema autonômico ganglionar
- Interferência na liberação de neurotransmissores no sistema nervoso central
- Sensação de anestesia
- Vertigem
- Espasmo da laringe
- Potencialização dos efeitos do álcool e dos narcóticos
- Crise de soluço
- Sedação
- Redução da atividade motora
- Estimulação do sistema microssomial enzimático, aumentando a velocidade de degradação de várias drogas

publicado por drugsrehab às 12:09

link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 7 de Novembro de 2008

Crack

Leva 10 segundos para fazer o efeito, gerando euforia e excitação; respiração e batimentos cardíacos acelerados, seguido de depressão, delírio e "fissura" por novas doses. "Crack" refere-se à forma não salgada da cocaína isolada numa solução de água, depois de um tratamento de sal dissolvido em água com bicarbonato de sódio. Os pedaços grossos secos têm algumas impurezas e também contêm bicarbonato. Os últimos estouram ou racham (crack) como diz o nome.
Cinco a sete vezes mais potente do que a cocaína, o crack é também mais cruel e mortífero do que ela. Possui um poder avassalador para desestruturar a personalidade, agindo em prazo muito curto e criando enorme dependência psicológica. Assim como a cocaína, não causa dependência física, o corpo não sinaliza a carência da droga.
As primeiras sensações são de euforia, brilho e bem-estar, descritas como o estalo, um relâmpago, o "tuim", na linguagem dos usuários. Na segunda vez, elas já não aparecem. Logo os neurônios são lesados e o coração entra em descompasso (de 180 a 240 batimentos por minuto). Há risco de hemorragia cerebral, fissura, alucinações, delírios, convulsão, infarto agudo e morte.
O pulmão se fragmenta. Problemas respiratórios como congestão nasal, tosse insistente e expectoração de mucos negros indicam os danos sofridos.
Dores de cabeça, tonturas e desmaios, tremores, magreza, transpiração, palidez e nervosismo atormentam o craqueiro. Outros sinais importantes são euforia, desinibição, agitação psicomotora, taquicardia, dilatação das pupilas, aumento de pressão arterial e transpiração intensa. São comuns queimaduras nos lábios, na língua e no rosto pela proximidade da chama do isqueiro no cachimbo, no qual a pedra é fumada.
O crack induz a abortos e nascimentos prematuros. Os bebês sobreviventes apresentam cérebro menor e choram de dor quando tocados ou expostos à luz. Demoram mais para falar, andar e ir á casa de banho sozinhos e têm imensa dificuldade de aprendizagem.

publicado por drugsrehab às 19:00

link do post | comentar | favorito
Domingo, 5 de Outubro de 2008

Morfina

A morfina é uma substância narcótica e sintética (produzida em laboratório), derivada do ópio retirado do leite da papoula. Com uma grande utilidade na medicina, a morfina é usada como analgésico em casos extremos, como nos casos de traumas, partos, dores pós-operativas, graves queimaduras, etc.

O mecanismo de atuação da morfina age no sentido de dificultar a ação dos receptores opióides, já que essas estruturas são importantes na regulação normal da sensação da dor. A morfina é introduzida por via oral, subcutânea, intramuscular ou intravenosa, sendo que a superdosagem pode resultar em danos graves ao paciente.

Embora a morfina possua úteis funções medicinais, ela também é usada como droga. Nos EUA e na Europa existem um número expressivo de pessoas usando a morfina de forma abusiva. No Brasil, esses números são bem menores. Sob a forma de droga, a morfina é consumida por via oral através de comprimidos, gerando no usuário a sensação de prazer, bem-estar e euforia.

Os efeitos tóxicos podem se resumir em danificações nas regiões cerebrais, pupilas contraídas, forte prisão de ventre, náuseas, vômito, depressão, impotência e incapacidade de concentração. O uso prolongado pode levar ao vício, sendo que a abstinência à droga pode causar ansiedade, agitação, febre, náuseas, hipersensibilidade à dor, etc. Devido à dificuldade de acesso à droga, as pessoas que ficam viciadas no uso entorpecente da morfina são geralmente médicos e pessoas que têm contato direto com a substância.

publicado por drugsrehab às 15:04

link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 3 de Outubro de 2008

Ópio

É um líquido leitoso que ocorre de uma planta quando nela fazemos um corte. Esta planta chama-se papaver somniferum.

Quando seco, o suco passa a se chamar pó de ópio. O ópio é apresentado em barras de cor marrom e gosto amargo que podem ser reduzidas a pó.

Quando aquecida, produz um vapor amarelo que é inalado. Pode ser dissolvido na boca ou ingerido como chá.

A crise de abstinência pode começar dentro de aproximadamente, doze horas, apresentando-se de várias formas, indo desde bocejos até diarréias, passando por rinorréia, lacrimação, suores, falta de apetite, pele com arrepios, tremores, cãimbras abdominais e insônia ou, ainda, inquietação e vômitos.

Quanto aos aspectos físicos, os usuários ficam magros e com a cor amarela, diminuindo ainda, sua resistência às infecções.

publicado por drugsrehab às 11:58

link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 2 de Outubro de 2008

Boa Noite Cinderela

As drogas que possuem a denominação de “Boa Noite Cinderela”, também conhecidas como drogas do estupro ou rape drugs, são geralmente o GHB (ácido gama-hidroxibutírico), a Ketamina (Special K) e o Rohypnol (Flunitrazepam). Esse conjunto de drogas possui a característica de atacar o sistema nervoso central, provocando amnésia nas pessoas durante o período de intoxicação.

Essas drogas são bastante perigosas quando combinadas com o álcool, gerando grandes períodos de total inconsciência. O Boa Noite Cinderela pode ser bastante perigoso, já que existem inúmeros casos de roubo e violência sexual provocados por meio da droga. A situação mais comum é a de uma pessoa de boa aparência e boa fala que tenta se aproximar da vítima, geralmente em boates e bares, oferecendo uma bebida que já contêm a droga dissolvida. A vítima ingere a droga, perde a consciência e quase sempre é roubada ou violentada sexualmente.

Nos EUA existe um teste que comprova em questão de segundos, a presença ou não dessas drogas nas bebidas. A recomendação geral para evitar cair em golpes envolvendo o Boa Noite Cinderela é a de não tomar bebidas oferecidas por terceiros.

publicado por drugsrehab às 15:02

link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 1 de Outubro de 2008

Ecstasy

O ecstasy é uma droga feita em laboratório (sintética) que possui o mesmo princípio ativo do LSD: a Metilenodioxidometaanfetamina (MDMA). Sabe-se que essa droga surgiu em 1912, sendo sintetizada pela primeira vez pelo químico alemão Anton Köllisch para ser usada com fins medicinais, em sessões de psicoterapia, e como inibidor de apetite.

O meio mais comum de consumo do ecstasy é por via oral, através de comprimidos, porém a droga também pode ser injetada ou inalada pelo usuário. Os efeitos do ecstasy duram em média, 10 horas. O usuário passa a sentir uma grande sensação de bem-estar e prazer, uma vontade incontrolável de conversar e às vezes, de ter algum tipo de contato físico.

A droga provoca inúmeros malefícios, tais como: boca seca, náusea, sudorese, aumento da frequência cardíaca e da pressão arterial, hipertemia, depressão, dor de cabeça, visão turva, manchas roxas na pele, fadiga e insônia. O aumento da pressão sanguínea provoca o aumento da temperatura do corpo, que em alguns casos pode chegar até 42 graus, levando o usuário a uma profunda desidratação, se tornando fatal na maioria dos casos.

O ecstasy é muito utilizado em festas e baladas, já que além de provocar a sensação de bem-estar e sociabilidade, é um estimulante sexual, sendo denominado também de “pílula do amor”.

publicado por drugsrehab às 23:15

link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Segunda-feira, 29 de Setembro de 2008

Cogumelos Mágicos

Os cogumelos ou fungos, uma vez que não possuem clorofila, não se alimentam de luz solar como as outras plantas. Em alternativa, funcionam como parasitas de outras plantas e animais ou instalam-se em meios com matéria em decomposição.

 

Existem várias espécies diferentes de cogumelos psilocibinos, nome científico atribuído aos cogumelos que contêm Psilocibina e Psilocina (alcalóides activos). A psilocibina é quimicamente semelhante ao LSD e tem a denominação científica de orthophosphoryl-4-hydroxy-n-dimethyltryptamine. No que se refere a cogumelos psilocibinos encontramos espécies como Psilocybe mexicana, Psilocybe caerulescens, Psilocybe (ou Stropharia) cubensis, Pscilocybe wassoni, Stroparia cubensis, entre outras.

 

Os cogumelos psicoactivos são todos aqueles que contêm estes ou outro tipo de alcalóides capazes que afectar o Sistema Nervoso Central. Por exemplo, as espécies Amanita muscaria e Amanita pantherina são cogumelos psicoactivos mas não psilocibinos.

 

Os cogumelos mágicos, nome pelo qual é mais comummente conhecido este tipo de droga, são substâncias alucinogéneos ou psicadélicas. São geralmente ingeridos crus, secos, cozinhados ou em forma de chá (“Shroon Brew”), sendo que os mais consumidos são os Liberty Cad Mushroom. São uma droga sazonal dado que aparecem sobretudo no Outono, contudo podem ser secos e armazenados, sendo inclusivamente os cogumelos secos aqueles que têm efeitos mais intensos.

 

Após consumidos, os alcalóides dos cogumelos chegam ao cérebro e bloqueiam os efeitos da serotonina. Não foi encontrada informação sobre a utilização terapêutica dos cogumelos.

 

Origem

 

Os cogumelos alucinógenos eram usados no México, Guatemala e Amazonas em rituais religiosos e por curandeiros. Os Maias utilizavam um fungo ao qual chamavam, na língua nahuátl, teonanácatl (a "carne de deus") há já 3500 anos. No seu território foram encontradas figuras de pedra com representações de cogumelos datadas de 1000 a.C. e 500 d.C. Em Oaxaca eram também chamados de nti-si-tho, sendo que nti é um diminuitivo de respeito e carinho e si-tho significa "o que brota".

 

As primeiras referências ao seu consumo foram encontradas em livros (1502), nos quais era mencionado o uso de cogumelos em rituais nas festas de coroação de Moctezuma, o último imperador Azteca. Os conquistadores espanhóis, não preparados para os efeitos da droga, assustaram-se e proibiram o uso de fungos alucinogéneos e a religião nativa. Foram também encontrados registos do médico do rei espanhol a relatar a ingestão de cogumelos pelos indígenas, por forma a induzir visões de todo o tipo, sendo estes muito apreciados em festas e banquetes. Após a conquista, o consumo de cogumelos com fins rituais e terapêuticos sobreviveu apenas na Serra de Oaxaca.

 

Provavelmente, o cogumelo alucinogéneo mais popular é o Amanita muscaria, descrito por Lewis Carroll no livro Alice no Pais das Maravilhas. Este cogumelo é usado há mais de 6000 anos, sendo, por vezes, confundido com variedades muito semelhantes mas letais. Os povos primitivos da Sibéria tinham o hábito de armazenar a urina de consumidores de Amanita, usando-a como droga alucinogénea. Isto verificava-se porque as substâncias alucinogéneas deste cogumelo permanecem intactas após a sua passagem pelo organismo.

 

Durante os anos 70, os cogumelos aparecem também na Europa, sendo inicialmente utilizados em sopa instantânea. Os genuínos cogumelos psilocibina secos só surgiram mais tarde.

 

O químico suiço Albert Hofmann que descobriu o LSD, foi também o primeiro a extrair psilocibina e psilocina dos cogumelos mágicos. A psilocibina, que é convertida em psilocina pelo organismo humano, é a responsável pelos efeitos alucinógenos da planta.

publicado por drugsrehab às 18:43

link do post | comentar | favorito
Sábado, 27 de Setembro de 2008

codependência

A codependência é um transtorno emocional que ocorre em pessoas que possuem algum familiar dependente químico. Normalmente, os portadores do transtorno são: o cônjuge, o pai, a mãe e outros que vivem em função do dependente, ou seja, dedicam a maior parte do seu tempo em função de ajudar a pessoa a ponto de deixar suas actividades de lado. Também pode ser gerado pela busca de se refugiar de situações dramáticas, da verdadeira identidade de um indivíduo e ainda de ambientes conflitantes e inseguros.

Pode-se perceber a manifestação do transtorno a partir dos seguintes sintomas:

Dificuldade de manter o equilíbrio em relacionamentos afetivos;
Frieza emocional para conseguir lidar com problemas;
Manias ligadas ao perfeccionismo;
Busca por fazer com que os outros aceitem seus pensamentos como únicos;
Compulsão por hábitos;
Sensação de incapacidade;
Baixa auto-estima;
Dores musculares;
Depressão.

Para buscar tratamento para o transtorno, a pessoa deve primeiramente aceitar sua condição. O tratamento é feito por meio de psicoterapias, grupos de ajuda, terapia familiar e alguns medicamentos, se for necessário.

publicado por drugsrehab às 01:52

link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 26 de Setembro de 2008

Cigarro, o maior problema de saúde pública mundial.

Apesar de gerar grandes lucros aos fabricantes e ser um dos produtos mais vendidos no mundo, talvez por ser considerado símbolo de status, sabe-se que o cigarro acarreta sérios prejuízos a seus usuários, é atualmente o maior problema de saúde pública mundial. O cigarro contém folhas secas do tabaco (nicotina rusticum e nicotina tabacum).

 

Possui em sua composição mais de 4.500 complexos químicos, como arsênico, amônia, sulfito de hidrogênio e cianeto hidrogenado. Semelhante ao gás que sai do escapamento dos carros, o monóxido de carbono pode ser o mais letal de todos os elementos, pois este é responsável pela diminuição de oxigênio para o os órgãos dos fumantes. A fumaça depositada nos pulmões é composta de nicotina e alcatrão, sendo que este último é cancerígeno. Os efeitos provocados pelo cigarro são sintomas psicológicos e físicos responsáveis pela dependência, tais como clareza de pensamentos, maior atenção, capacidade de concentração e aumento da memória, além de diminuir o apetite, a irritabilidade e relaxar a musculatura. O cigarro pode causar doenças do coração, hemorragias cerebrais, doença pulmonar e câncer de pulmão.

publicado por drugsrehab às 22:54

link do post | comentar | favorito

Anfetaminas

Anfetaminas são substâncias químicas produzidas em laboratório consideradas como estimulantes, já que provocam o aumento da atividade cerebral do indivíduo, deixando o usuário eufórico, ofegante e “elétrico”. Esse aumento do processo cerebral é totalmente nocivo para a saúde, já que leva o usuário a extrapolar seus próprios limites, podendo causar danos irreparáveis ao cérebro. Quando esse ciclo de euforia acaba, o usuário se sente debilitado, fraco e depressivo, se vê obrigado a voltar a consumir novas e maiores doses da droga, criando assim um processo de dependência. Essas drogas podem ser consumidas através de comprimidos, por via oral, directamente injectada na corrente sanguínea, sob a forma de pó ou dissolvidas em bebidas alcoólicas. Os maiores usuários das anfetaminas geralmente são estudantes, caminhoneiros, pilotos e atletas, que buscam a melhora de desempenho em suas actividades, já que as anfetaminas aceleram o cérebro e provocam a perda de sono. Além de afectar o cérebro humano, as anfetaminas causam a dilatação da pupila, aumento das pulsações e da pressão cardíaca. Estudos comprovam que entre os estudantes que 4,4% revelaram já ter experimentado uma droga tipo anfetamina alguma vez na vida. Essas drogas possuem efeitos tão fortes que alguns delírios e alucinações causados pela droga podem levar o usuário ao suicídio por razões ilusórias, como uma perseguição imaginária, por exemplo.

publicado por drugsrehab às 22:37

link do post | comentar | favorito

.pesquisar

 

.Novembro 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Barbitúricos

. Crack

. Morfina

. Ópio

. Boa Noite Cinderela

. Ecstasy

. Cogumelos Mágicos

. codependência

. Cigarro, o maior problema...

. Anfetaminas

.arquivos

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds